~#O CORPO SECO#~

27/08/2011 19:07

http://2.bp.blogspot.com/_9DOgdyYw9bU/S5J2uLg5EYI/AAAAAAAAAYY/kV0DK2zSnQw/s320/CORPO+SECO.jpg

O caso de Teresa Bicuda não é exclusivo de Goiás. Outros filhos que maltrataram seus pais e por isso se tornaram almas penadas são lembrados em vários estados e há indícios que crença vem de além mar, posto que existe tradição semelhante em Portugal. O "Corpo-Seco" é outra assombração desse gênero cuja lenda, relativamente recente, meados do século XX, é contada em São Paulo. "Nem a terra aceita receber essas pessoas". Este foi um homem chamado Zé Maximiano, morador do município de Monteiro Lobato, região da Serra da Mantiqueira, conhecido por bater no pai e na mãe.

Quando morreu, supostamente de "morte matada", foi enterrado em cemitério porém, rejeitado pela sepultura e assombrando lugares habitados, tal como Maria Bicuda, acharam por bem transferir o corpo para um lugar ermo e, por recomendação do próprio padre [apesar dos dogmas católicos], decidiram por uma gruta cuja entrada era delimitada por um córrego, medida de segurança porque esse tipo de fantasma não atravessa a água. Um amigo do defunto, que mesmo sendo "sangue ruim" ainda tinha um amigo, um tal de Pedro Vicente, encarregou-se de fazer o transporte. O corpo foi colocado em um balaio e, ainda por recomendação do padre, Pedro levou consigo uma vara de marmelo: o de cujus podia se rebelar e, nesse caso, o jeito era bater no morto com a vara. Dito e feito: o fantasma tentou agarrar o amigo a fim de matá-lo mas foi repelido com varadas.

Diz o povo que fantasmas como Corpo-Seco agem nas noites de sexta-feira à meia noite. Aparece na beira dos rios e açudes e se alguém aparece, pede para ser transportado para a outra margem. Em troca, promete revelar o esconderijo de um tesouro. Seja no barco ou nas costa do benfeitor, quando está no meio do curso d'água, a assombração começa a pesar e assim, afunda pequenas embarcações ou a pessoa que o carrega nas costas matando sua vítima por afogamento. Outros contam que ele fica nas estradas tocaiando os viandantes dos quais, ao modo dos vampiros, chupa o sangue para se manter na Terra evitando, deste modo, ser tragado para os quintos dos infernos.